Valorização dos servidores do Poder Executivo não é prioridade na gestão Flávio Dino

25289634_1551270324961162_4805253046048021354_n

De 2015 a 2017, o acumulado da inflação chega a quase 22%, prejudicando o poder de compra do trabalhador.

Parece que os servidores do Executivo realmente não têm vez, nem voz, no governo Flávio Dino. No final do mês de dezembro, a Assembleia Legislativa aprovou não só mais um reajuste para os servidores do Judiciário, como também o Plano de Carreiras e Cargos do Tribunal de Contas do Estado (TCE). Tudo isso com a anuência do governador, que em três anos de gestão não recebeu nenhuma vez o Fórum de Defesa das Carreiras do Poder Executivo para tratar sobre a política salarial dos servidores públicos do Maranhão.

Com os salários defasados, os servidores seguem para o quarto ano sem qualquer reajuste. De 2015 a 2017, o acumulado da inflação chega a quase 22%, prejudicando o poder de compra do trabalhador.

“Os servidores do Executivo claramente não são prioridade para o governador Flávio Dino. Em 2017 foram aprovados reajustes salariais para todos os servidores do Tribunal de Justiça, do Ministério Público, do TCE e do próprio Poder Legislativo. Em contrapartida, o Governo no Estado nunca recebeu os representantes dos servidores do Poder Executivo, nem mesmo retornou os ofícios encaminhados pelo Fórum de Defesa das Carreiras, nos quais solicitamos a implantação da 2ª Etapa e a reabertura do PGCE”, assinala Cleinaldo Bil Lopes, presidente do SINTSEP e coordenador do Fórum de Defesa das Carreiras do Poder Executivo.

Para se ter uma ideia, no Plano de Carreiras e Cargos do TCE sancionado pelo governador Flávio Dino, o menor salário de um servidor de Nível Fundamental, por exemplo, é de R$ 4.534,95. Já o menor salário de Nível Médio é de R$ 8.721,07. Isso inicialmente.

“Vale ressaltar que ficamos felizes com a conquista dos companheiros do TCE, só fazemos ressalva quanto à postura do governador, que privilegia outras classes e esquece de olhar para os seus, que são fundamentais para o pleno funcionamento da máquina pública”, completa Cleinaldo Bil Lopes.

Devemos lembrar que 2018 é ano de eleições e o funcionalismo público do Maranhão saberá dar a sua resposta. Seguiremos com a campanha salarial e lutando pela efetivação do direito de todos os servidores!

7 comentários “Valorização dos servidores do Poder Executivo não é prioridade na gestão Flávio Dino

  1. Sou servidor desde 1976 trabalho mais de 10 anos Rede de Frio faço monitormento dqs vacinas de sengunda a segundo inclusive nos feriadod e fnias de semana luto por uma gratificaçao extra nunca recebi, nem diaris ano de 2017 nao recebi

  2. Rui da Silva disse:

    Esse Governo é o verdadeiro retrato da incompetência administrativa, vale-se de uma mídia comprada a peso de ouro, para ludibriar a consciência dos incautos.” Antes não tinha essa mentirada e exploração dos Servidores, AGORA TEM”.

  3. Gostaria muito que o governador fizesse uma analise dessa situacao do funcionario publico

  4. Artemise disse:

    Certamente não temos tanto privilégio qto os nossos companheiros. Vejo isto quando tentei alugar um apto no angelim.Sou funcionaria pública e sequer consigo alugar um imóvel onde é um direito nosso.Não deve haver acepção senhor governador..mas a resposta saberemos dar quando chegar a tão esperada eleição! !!

  5. Raimundo Nonato Silva Sousa disse:

    Sr. Governador as nossas percas salariais são muito grandes,sera que você não tem dó, do sofrimento do
    funcionário público,Basta que nós penamos nas mãos dos piores governantes que o Maranhão já teve à quarenta Anos,espero que você termine o seu Governo com dignidade de bom gestor e olhe para o povo. Deus e nosso Senhor JESUS CRISTO lhe ajude à vencer. Parabéns pelo seu trabalho.

  6. LUIZ CARLOS disse:

    SINDICATO CAMPANHA PARA QUE OS SERVIDORES DO ESTADO NÃO VOTE NELE SOMOS MAIS DE 100.000 COLOCANDO 4 FAMILIARES PASSAREMOS A 400.000

  7. Eu disse:

    Sinceramente!
    Os servidores administrativos da Seduc também foram esquecidos.
    Sou servidor há 24 anos e o último reajuste no meu salário foi em 2015. De lá pra cá só promessas.
    Me formei em administração pensando que haveria algum reconhecimento pelo meu trabalho e nada.
    O sinproesemma que é o “Sindifraco” que responde pela categoria nem se manifesta. Em governos anteriores lutava pela classe agora serve de capacho para a gestão atual.
    2018 já chegou!
    FD nunca mais!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *